• Precisa de ajuda para encontrar algum conteúdo?

Gertrudes

Aninhas-e-Gertrudes-por-Cruz-Caldas-954-page-001.jpg
Autor: Ilustração de Cruz Caldas
Gertrudes_e_Vasco.jpg
Autor: Ilustração de Alfredo Roque Gameiro e Manuel de Macedo

Gertrudes (João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, O Arco de Sant'Ana)

Personagem de O Arco de Sant’Ana, de Almeida Garrett publicado em 1845/1851, Gertrudes é uma figura romântica sui generis. Ao contrário dos habituais estereótipos femininos, marcados pela fragilidade e contenção, representa-se num recorte pitoresco de lutadora viril e desempenha uma função importante na intriga, instigando uma revolta popular. Com apenas 16 anos, é dotada de caráter forte e manifesta opiniões avançadas em matéria de política e direitos cívicos, de inspiração liberal, embora a ação decorra em contexto histórico medieval.

A história passa-se no século XIV, na cidade do Porto, então dominada por um bispo muito poderoso que explora e oprime a população. A “Gertrudinhas do Arco”, filha de um caldeireiro, é a figura-sombra da revolução: empenhada em defender uma amiga dos maus instintos do bispo, conspira ativamente ao lado dos populares insurretos e encoraja o namorado, o estudante Vasco, a capitanear o movimento de libertação da cidade. Depois de várias peripécias aventurosas que culminam na prisão, acaba aclamada pela multidão.

O processo de composição da personagem é de tipo performativo, técnica dramatúrgica que o autor-narrador associa ao daguerreótipo. Gertrudes apresenta-se essencialmente “por seus ditos e gestos”, sendo portanto uma personagem plana, com pouco ou nulo desenvolvimento psicológico. A entrada em “cena”, logo no limiar da ação romanesca, faz-se de forma dialogal, numa conversa clandestina entre vizinhas que deixa perceber o seu temperamento rebelde – “que nem uma exaltada malhada ou setembrista dos nossos dias”, nas palavras do narrador (78); Vasco compara-a a uma Judite “o diacho é a moça” (82), e dispõe-se de bom grado a obedecer às suas decisões. Só no capítulo XXIII, intitulado com o seu nome, se esboça um retrato de Gertrudes por caracterização direta: nasceu burguesa mas podia ser fidalga, “era alva e fina, negra de olhos e negra de cabelos” (223); é apaixonada mas decidida e raramente se entrega à melancolia. A sua ação destemida é no final reconhecida pelo rei [D. Pedro I] que apadrinha o casamento dos dois jovens heróis. A personagem transcende o universo desta narrativa com a publicação da ópera com libreto de Francisco de Sá Noronha levada à cena em 1868; e com a encenação dirigida por Júlio Cardoso em 1999.

 

 Referência

GARRETT, Almeida (2004). O Arco de Sant’Ana. Crónica Portuense. Edição crítica de Maria Helena Santana. Lisboa: INCM.

Maria Helena Santana