• Precisa de ajuda para encontrar algum conteúdo?

C > CARVALHO, Maria Judite de

Maria_Judite_de_Carvalho.jpg

1921-1998

Maria Judite de Carvalho (1921-1998) nasceu em Lisboa. Estudou no Colégio Feminino Francês e no Liceu Maria Amália; depois disso, estudou Filologia Germânica, na Faculdade de Letras de Lisboa.

Trabalhou como jornalista na revista Eva, onde começou a publicar como contista e como cronista («Crónicas de Paris»). Mais tarde, foi redatora no Diário de Lisboa e colaborou, como cronista, no semanário O Jornal.

Reconhecida como uma das vozes mais significativas da renovação que a narrativa portuguesa conheceu, na sequência do neorrealismo, Maria Judite de Carvalho é dotada de um extraordinário talento de contista, associado à singular representação do mundo que, sobretudo nos seus contos, se dá a conhecer; na sua ficção configura-se, com precisão e com equilíbrio no tratamento das categorias da narrativa, um pequeno universo que, cabendo todo nas apertadas fronteiras de breves relatos, é capaz de transcender essas fronteiras, prolongando-se para além delas: em Maria Judite de Carvalho revela-se “uma intensidade que escolhe manifestar-se por assim dizer ‘em tom menor’” (Buescu, 2001: 293). No mundo dos seus contos, das suas novelas e dos seus romances, como no das suas admiráveis crónicas, perpassam pequenas ambições e grandes frustrações, solidões e desencantos calados, tudo projetado num cenário que, sendo marcadamente feminino, é atravessado por um calor humano inesquecível (O Imaginário de Maria Judite de Carvalho, 1998).

Títulos significativos de uma produção sempre conduzida de forma discreta: Tanta Gente, Mariana (1959), As Palavras Poupadas (1961), Paisagem sem Barcos (1964), Os Armários Vazios (1966), Flores ao Telefone (1968), Os Idólatras (1969), Tempo de Mercês (1973) e ainda Além do Quadro (1983), Seta Despedida (1995) e Este Tempo (1991; crónicas, livro distinguido com o Prémio da Crónica da Associação Portuguesa de Escritores).

 

Referências:

BUESCU, Helena Carvalhão (2001). Chiaroscuro. Modernidade e Literatura. Porto: Campo das Letras.

______ O Imaginário de Maria Judite de Carvalho. 1921-98 (1998). Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro.

REIS, Carlos (2005). História Crítica da Literatura Portuguesa. Volume IX. Do Neorrealismo ao pós-modernismo. Lisboa: Verbo.

 

Personagem no Dicionário:

Mariana Toledo

 

Carlos Reis